terça-feira, 31 de outubro de 2006

sábado, 28 de outubro de 2006

Pensamentos Altamente Complexos - Hoje: Harry Potter!

Eu tenho uma teoria. Várias, mas esta é uma delas.

- Que a J. K. Rowling nunca teria escrito o Harry Potter se não tivesse vivido em Portugal.

E eis os argumentos:

1) O feitiço virou-se contra o feiticeiro.
Provérbio tipicamente português, o qual encerra toda a génese da história do Harryzito.

2) O mau da fita chama-se Salazar Slitherin.
Ora bem, esta é inegável, porque remete directamente a Oliveira Salazar, e quanto à história dos "puro sangue", ninguém me tira da cabeça que Salazar Slitherin tem uma sonoridade que faz lembrar quase instantaneamente Santana Lopes.

3) O miúdo estuda num castelo super antigo.
Uma clara metáfora ao actual estado das escolas portuguesas.

4) Existem fantasmas a rondar pelo castelo.
Clara referência ao Sebastianismo e aos fantasmas que rondam Portugal.

5) O destino do rapaz assenta numa profecia.
O destino de Portugal assenta numa oligarquia.

6) O símbolo dos Gryffindor é um leão, mas a cor é vermelha.
J. K. Rowling viveu onde? No Porto... claro que não sabia distinguir o Sporting do Benfica!

7) Em Hogwarts, ninguém sabe o que é um computador.
Mais de metade da população portuguesa também não.

8) Havia uma cobra gigante enfiada na escola, cujo nome agora não me lembro...
Em Portugal há uma cobra gigante enfiada nas escolas, chama-se ministra da educação.

9) As eleiçõs para altos cargos no Ministério da Magia são muito dúbias.
As eleições para altos cargos em Portugal muito dúbias são.

10) Existem umas figuras sombrias chamadas Dementors, que eloquecem temporariamente as pessoas.
J. K. Rowling conheceu militantes do PP.

Podia eventualmente colocar mais argumentos, mas fiquem de meditar e descobrir mais umas quantas alíneas... de certeza que as há!

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

Ladies and Gentleman...!

E a frase do dia é:

Boa tarde, peço desculpa, mas vocês aqui intrometem o Euromilhões?


*em minha defesa: eu estava num clima de muito stress...a culpa é do stress... e somente do stress.

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

Betty e a UNESCO

A questão é que tropecei nisto quando estava a folhear uma revista - essa grande instituição que é a Nova Gente -, e não pude deixar de partilhar com vocês. Trata-se de uma crítica social, que infelismente não vem assinada, o que convém à pessoa que escreveu, of course...

«A minha querida Betty Grafstein foi interrogada numa festa sobre a sua idade e respondeu: "Eu sou intemporal"...
...Intemporal como as Pirâmides do Egipto e a múmia do Tutankamon

Como diria o meu professor de egiptologia: São três - três! - mil anos de história!!
É obra!!!

terça-feira, 24 de outubro de 2006

Mais uma reflexão inútil para a Humanidade (não consigo parar de fazê-las! Help!)

Hoje, no autocarro, ouvi uma coisa que me deixou a pensar. Era uma conversa entre um grupo de senhoras, muito animadas, e uma diz, às tantas:

"E então, depois, ela exaltou-se toda."

Fiquei a meditar. Mas... é possivel ficar só tipo, 1/4 exaltada? Ou metade exaltada? Exaltada só em partes; esquerda/direita/cima/baixo?

"E então, depois, ela exaltou-se mas só no braço esquerdo."
"E então, depois, ela exaltou-se mas só na cabeça."
"E então, depois, ela exaltou-se mas apenas da barriga para cima."

Concluíndo: esta reflexão poderia nunca ter ocorrido se eu não tivesse presa no trânsito sem nada de útil para fazer.
Mas não me exaltei nem um bocadinho... :)

segunda-feira, 23 de outubro de 2006

As 20 mil léguas submarinas

Acho que as pessoas que não vivem para os lados do Montijo não entendem a verdadeira amplitude da expressão "- Não posso ir porque há cheias na cidade."

"- Outra vez?"
"- Pois..."
Este fim de semana tive a ideia genial de ir a Lisboa, numa tarde de chuva. Mais precisamente ao Vasco da Gama. Para acabar em beleza, achei que devia de ir de autocarro. Resultado: as aulas de natação deram-me um jeitão. Não tinha noção de que os autocarros da TST eram anfíbios, porque por momentos, depois de ter dado umas boas braçadas em plena baixa (ok, pouco faltou!), e uma vez dentro do autocarro, pensei por momentos que estava a bordo de um iate cizento. Porque 50% da cidade estava, literalmente, debaixo de água. Incluindo a estação dos autocarros. Do género:
"- Deixa cá dar um mergulho para ver se acho a paragem do 435!"
Ou seja, fui a uma sessão de cinema no Vasco, à qual assisti descalça, depois de ter andado pelos corredores a fazer o "schlop scholp" irritante dos sapatos-bóia, a rezar para que as duas horas de filme fossem suficientes para secá-los, bem como às meias e ao casaco, e no fim, quando voltei a calçar-me, estava já a criar-se um ecossistema marinho na bota esquerda.

domingo, 22 de outubro de 2006

Sofia não muda...

Nunca fui grande fã da Sofia Copolla. Não gostei do Lost in Translation, achei-o chato e parado, sem argumento digno de registo. Este Marie Antoinette também não é um grande avanço em termos de estilo. Basicamente, o filme não é mais do que apresentar factos históricos (alguns...) numa perspectiva de arte pop.

Mas gostei. Admito!:)
E fiquei cheia de pena da Maria Antonieta.

Claro que as partes enfadonhas teimam em não sair dos filmes da Sofiazita...

sábado, 21 de outubro de 2006

Nós achamos que não é coincidência.

Aqui está a prova de como as aulas de sábado de manhã são um elemento preparatório para o controlo da população, ou seja, a médio prazo podem levar ao suicídio.

Aula de TI, às 9h = sobre XML e Java
Aula de Sociologia, às 11h00 = sobre a Bullet Theory.

Dei a conhecer a minha teoria a alguns colegas.
Todos ficaram com ar preocupado.
Resta saber se foi com as ditas coincidências, ou se comigo.

sexta-feira, 20 de outubro de 2006

Alguém se lembra disto?


Depois de um sábado à noite passado ao som dos bons anos 80, fiquei desiludidíssima, porque ESTA pérola não passou...

Mais do que a música, aqui fica o vídeo (péssima qualidade, mas vai passando a letra da canção!), exemplo espectacular do melhor que se fazia na época!

(Note-se, nasci no início dos anos 80. Sou da geração "Ace of Base". Consequentemente, sou uma pessoa revoltada com a vida...)

Fiquem com o "Nowhere Fast", do mítico Streets of Fire :)

quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Que profundo!

A razão espanta o medo. E o medo leva-nos a perder completamente a razão.


Conversas Esquizofrénicas: Novas Fronteiras do Universo Existencial

Jovem com dúvidas existenciais: - Tenho três perguntas a fazer-te.

Jovem com paciência para esclarecer dúvidas existenciais: - Diz.

Jovem com dúvidas existenciais: - a) achas que fiz mal em ter agido daquela forma? b) achas que fiz mal em ter pensado e pensar daquela maneira? c) achas que sou uma pessoa normal?

Jovem com paciência para esclarecer dúvidas existenciais: - a) não. b) não. c) não.

Jovem com dúvidas existenciais: Ok, obrigada.

Jovem com paciência para esclarecer dúvidas existenciais: De nada.

A frase do dia é...

Não há coisa mais patética do que fazer muito bem algo que não serve para nada.

Peter Drake

terça-feira, 17 de outubro de 2006

Desculpem o egocentrismo...

... mas os felinos são os animais mais perfeitos do mundo!

Ming e Mei, em 2003

Ming e Mei, em 2005

Ming e Mei são duas panteras (ou Clouded Leopards), nasceram em 2003, e foram criados com uma normal (ok, na medida do possivel...) família americana, até às 10/12 semanas de idade. Depois foram "adoptados" pelo zoo de Nashville.

São lindos.
Não há como negar.

Era uma vez, à 290 meses atrás...

(Ainda) tem cartão jovem?

Apercebi-me que, no fundo, sou como as pitas que se maquilham para parecerem mais velhas e poderem entrar nas discotecas. Porque eu maquilho-me para parecer que tenho 24 anos.

O problema é que eu tenho mesmo 24 anos.


sábado, 14 de outubro de 2006

Para questionarem o sentido da vida

Juntem 2 horas de aula de informática + 2 horas de aula de sociologia, na mesma manhã.

Ou seja:
2 horas a falar sobre linguagens de programação + 2 horas a falar de Durkheim, nomeadamente da sua teoria sobre o suicídio.

Resultado:
No final das 4 horas, começam a acreditar que são, de facto, o coelhinho branco da "Alice no País das Maravilhas".










Ou seja, só pensam em fugir dali o mais depressa possível.

Directores de curso deste Portugal, abri os olhos para a vida! (Ou de como o Processo de Bolonha nunca vai resultar por terras lusas!)

Um amigo meu entrou recentemente para Dietética e Nutrição, numa conhecida universidade de Lisboa, cujo nome vou manter em anonimato, adianto-vos apenas que tem muito de clássica.
Até aqui tudo bem.

O meu amigo tem uma cadeira de inglês no curso.
Ah, ok... para uma questão de versatilidade de conhecimentos. Até aqui tudo bem.

E então acontece isto: nessa cadeira eles aprendem a traduzir termos de português para inglês.
A saber: termos como esparguete (sparguetti), pasta (pasta) e pizza (pizza).
Eu vi o caderno de apontamentos deles. Isto é verídico.
E eles estão desesperados. De tanto rir durante as ditas aulas...

(Agora vem a melhor de todas: o meu amigo dá explicações de inglês.)

Senhores Doutores: eu sei que de "bolonhesa" só conhecem a massa, e não a reforma, mas é para ter coisas destas que querem que as licenciaturas continuem a ter 5 anos ou mais?
Há todo um mundo lá fora! Mais simples, mais eficaz e mais inteligente!
D'uh...

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Perspicácia felina

$%£"&7#?%!

O preço dos combustíveis, aliado ao preço das portagens da Vasco da Gama, aliado ao preço dos parquímetros, e aliado ao preço das multas da EMEL, levou-me a encarar a possibilidade de apanhar o comboio às 22h, em Entrecampos, como "muito agradável, e nem é mau de todo".

terça-feira, 10 de outubro de 2006

Ora bem, então em que ficamos?

A minha instrutora de natação diz que estou a evoluir bem, mas que há problemas com a minha técnica do golfinho (mergulho).
Diz-me que, da maneira como a pratico, é tipo meio pato, meio golfinho.
Estou confusa.

Humf...

Já me estou a passar...

Conversas Esquizofrénicas e Geograficamente Fantásticas

Pessoa V- Por mais que não se tente, só se consegue reparar nas desgraças que passam na nossa TV.

Pessoa X - Então porquê?

Pessoa V - Então, olha, porque a Grécia parece que está a levar com cada chuvada em cima...

Pessoa X - Estão a haver cheias?

Pessoa V - Sim, e bem grandes! Ora bolas, ainda desaparecem as pirâmides...

Pessoa X - Também estão a haver cheias no Egipto?

Pessoa V - No Egipto? Que eu saiba, não...!

Pessoa X - Mas então...?

Pessoa V - (...) Pois... Sou capaz de ter dito um grande disparate... Sabes, confundo muito os Gregos e os Egípcios, por causa dos narizes. Têm narizes parecidos...

Pesssoa X - ???

NA.: Devo referir que todas estas complexas conversas aqui mencionadas foram mesmo realidade. Sendo que a pessoa X esteve lá, sempre. Caso não tenham reparado...

Mais Conversas Esquizofrénicas

Pessoa X – Fiz um tratamento termal com Duche Vichy, as massagens nas costas fizeram-me milagres! Senti-me como se me tivessem tirado 5 quilos de cima!

Pessoa W – Ainda bem! Deve ser óptimo. Gostava de experimentar.

Pessoa X – O problema são mesmo os preços. Os tratamentos são puxados.

Pessoa W – E quem te fazia as massagens???

Pessoa X – Olha… massagista, claro!

Pessoa W – Mas “o” que era?

Pessoa X- Como assim? O que era? Era uma pessoa! Lol!

Pessoa W – Sim, mas não estás a perceber! Vou explicar melhor. Era massagista ou era massagista?

Pessoa X – (…)

Ps.: Sim, foi uma massagista… :(

Aderi ao Blogthings, e o gajo está a gozar comigo

O título do teste era "De que planeta és?"

Mas...

... Plutão não é um planeta!

Why me???

Aderi ao Blogthings

Your Hair Should Be Red
Passionate, fiery, and sassy.You're a total smart aleck who's got the biggest personality around.


Your Ideal Pet is a Cat
You're both aloof, introverted, and moody.And your friends secretly wish that you were declawed!


Confessem lá, sou uma pessoa brutalmente original, não sou? Como foi possível obter estes resultados, pergunto eu...

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Conversas esquizofrénicas

Pessoa X – Pessoalmente, acho a Regaleira linda. Sobretudo o jardim. O poço iniciático então é excepcional!

Pessoa Y – Poço?

Pessoa X – Sim, há lá um poço iniciático, com uma escadaria em espiral. O fundo simboliza a chegada ao ventre da Terra-Mãe. Depois, de lá partem os três túneis, um deles vai dar ao Jardim do Éden, simboliza que passámos o teste para conseguir uma espécie de nova vida espiritual.

Pessoa Y – E os outros dois? Vão parar onde? Ao Inferno?

Pessoa X – Não exactamente.

Pessoa Y – Mas vão dar onde? Ao Purgatório?

Pessoa X – Sim, de certa forma. Vão dar à minha casa.

Não, a sério?

Uma amiga ontem mandou-me isto, com a seguinte mensagem: "Vais adorar ler!". E, de facto, adorei. É brilhante o nível... que a estupidez humana pode atingir!

Atentem neste artigo. Saiu numa publicação brasileira, de nome Turismo & Negócios, e, por sua vez, foi publicado em Portugal pela revista Mulher Moderna, com o seguinte (e irónico) título - Será que existe outra Lisboa?:

A minha parte favorita é a da Segunda Guerra Mundial. Mas reconheço que a do Oceano Pacífico também merece um prémio...

domingo, 8 de outubro de 2006

Memories & Happy Birthday!

Hoje, a falar com uma amiga minha, tive um flash de uma das melhores coisas que li até hoje, e que me fazem sempre sorrir.

16,00: Gabinete. Estado de emergência. A Jude acabou de ligar do telemóvel, banhada em lágrimas, e por fim lá conseguiu explicar, com voz fanhosa, que acabava de ter de pedir para sair de uma reunião da direcção por estar prestes a desfazer-se em lágrimas, e que agora estava presa na casa de banho com olhos de Alice Cooper e sem estojo de maquilhagem.

O Diário de Bridget Jones


Isto já me aconteceu a mim. A cinco minutos de uma entrevista de emprego. Sem uma reles base na minha malita. E a uma amiga minha, num restaurante, a meio de um jantar importante. Eu estava com ela. Fui arrastada para a casa de banho, à laia de Inem.

Também lá estavas, Aninha!
Parabéns! ;)

E porque os nossos problemas acabam sempre por ter fim desta forma...

Tristíssima, peguei no telefone e liguei à Sharon.
«Amanhã, a que horas no encontramos?», resmunguei, envergonhada.
«Oito e meia. Café Rouge. Não te preocupes, nós adoramos-te!»

O Diário de Bridget Jones

Bem pensado II

Acho que deixaram de ser Sete - passaram a ser Seis.

Porque sou suicída.

Porque sim.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Problemas de estrelato

No passado dia 18 de Setembro, Marques Mendes visitou a Escola Básica do 1.º ciclo de Solum.

Logo na primeira sala de aulas em que entra, Marques Mendes arrisca: - Sabem quem eu sou?
Os miudos: - Nããããão
Marques Mendes (registem!) responde: - Não vêm o Contra-Informação? Eu sou Ganda Nóia! O Nódoa! O Noddy!

Aguardam-se reacções do verdadeiro Noddy.

Bem pensado

Cum satur est felis, se totum lambere gandet.

E outras parvoíces que me estão a passar pela cabeça agora...


quarta-feira, 4 de outubro de 2006

Concluindo

Mudam-se os tempos, mas as vontades são rigorosamente as mesmas.

terça-feira, 3 de outubro de 2006

O Gato e o Outono

Caiem as folhas, e lembra-se dos primeiros tempos. E do início, que sempre se pareceu com o fim. O ano não começava a 1 de Janeiro. Começava com o cair da primeira folha laranja, lá do cimo das árvores maiores, mais velhas, gastas pelo tempo. Era invisível, pelo cair da tarde, invisível, com a avançar da noite (até invisível com os primeiros raios de sol), e fazia o caminho mais longo e mais triste. Mas mais intenso. Às vezes as coisas profundas não têm que ter uma explicação clara. Não têm que ter uma razão filosófica. Não têm que se repensadas. Simplesmente são aquilo que são. Profundas. Belas. Tristes. Incompreensíveis.

Caminhava sozinha, sempre sozinha, acompanhada pelos milhares de pensamentos que cresciam, bem longe daquilo que era e daquilo que tinha de ser. Sempre sozinha – com muitas vozes, muitos ditos, muitas sugestões – mas sempre sozinha.

Porque estar sozinho no mundo não é estar isolado, ou longe da companhia humana. Estar sozinho é um estado de espírito, uma parte da personalidade, um Outono auto-imposto. E às vezes, muitos nem se apercebem de como estão sozinhos. Até olhar bem para o seu Outono. Até ao recomeço das coisas.


Sete Vidas

As Sete Vidas simplificadas:

1988: Primeiro esboço de qualquer coisa. Em forma de Diário do My Little Pony.

Excerto:

“Querido Diário:

“Hoje fez sol. Hoje fui à escola, e aprendi matemática. No recreio, a Marisa levantou a saia e todos se riram. Não gosto da Marisa, ela é esquisita. À tarde fui com a Susana atirar pedras para o rio. Acho que acertámos na avó dela. Não chegamos a ver porque fugimos. Foi engraçado.”

1995: Na disciplina de Educação Visual, inventei um herói de banda desenhada, chamado o “Bicas”: era suposto ser um pássaro, que tinha outros amigos pássaros (original…), que por sua vez, andavam com ele à procura de um tesouro (brutalmente original…). 5 valores pela singularidade. O desenho em si era pavoroso.

2000: Diários Borguistas. Arranjei mais três amigos (ainda hoje dou-me bem com um(a) deles, aos outros desejo-lhes boas festas e um chá de urtigas), e decidimo-nos a passear e a escrever parvoíces, ao mais alto nível. Os textos foram quase todos perdidos na partilha dos bens, aquando das separações. Os homens são uns malvados.

2005: Blog conjunto, altamente secreto, e o tradicional “blog do Messenger”, já menos secreto. Perdi textos quando o meu primeiro “spaces” foi abaixo. Já estou com a segunda versão, e não aprendi, continuo a não gravar nada.

2006: Sete Vidas.

Bem vindos, amigos.

© Sete Vidas - Template by Blogger Sablonlari - Header image by Deviantart